arquivos-diversos2

Life Behavior ║ por Roberto Sena: Amiguismo X Moda

1.4.13

Amiguismo X Moda

Semana de Moda de Madrid
Foto: Semana de Moda de Madrid

Español - Cada vez que me reúno com profissionais de moda, existe uma da pauta que é sempre a mesma: a falta de capacitação das pessoas que de alguma maneira conseguiram estar à frente da administração de marcas talentosas. Embora muitas dessas marcas possuam uma equipe criativa respeitada e reconhecida, sabemos que para seguir crescendo, ou até mesmo para seguir respirando, é necessário haver um equilíbrio entre os departamentos administrativos e de criação, incluso me atrevo a afirmar que é necessário haver um casamento entre essas duas partes.

Cada vez mais, testemunhamos associações ou pessoas que dizem representar a “marca Espanha”, mas que na realidade só estão interessados em colher benefícios para si mesmo. Evitamos citar nomes, afinal de contas, muitas das pessoas que estão diretamente envolvidas com o mundo da moda sabem de quem estou falando. O resultado é uma Semana de Moda madrilena cada vez mais apagada e um número crescente de marcas que estão encolhendo ou simplesmente morrendo, diante de uma concorrência estrangeira muito bem administrada.

Dentro do contexto europeu, a Espanha também não possui um bom histórico, comprovamos, por exemplo, através do mercado de objetos artesanais de luxo, um mercado dominado por países como Itália, Alemanha, Bélgica e Franca, que possuem as marcas mais antigas da Europa.

A italiana Barovier&Toso, que existe desde 1450, ou Baccarat, que é um sucesso de vendas desde 1764, são dois bons exemplos de como após séculos de existência, ainda conseguem manter um publico fiel, além de ganhar novos clientes a cada dia. Imagino que muitos de vocês devem estar se perguntando: “Mas o que essas marcas têm haver com a moda?”. A resposta é: TUDO! Essas marcas representam o luxo, e a moda não poderia sobreviver sem esse elemento.

Quando o "amiguismo" excessivo for substituído por profissionalismo, podemos renovar as esperanças e voltar a acreditar que esse maravilhoso país chamado Espanha ganhará seu lugar ao sol e ter a mesma importância para o mundo da moda, como já possuem seus prestigiados irmãos europeus. Enquanto isso não acontece, testemunhamos a decadência de uma Semana de Moda que um dia se chamou Cibeles, a incompetência de uma Associação de Criadores que só se preocupa com a imagem e o bem estar de seus administradores, além de utilizar de forma irresponsável o dinheiro publico que recebe. Nos anos dourados de Cristóbal Balenciaga, que eu ainda nao estava vivo, mas diante de tanta informação que já absorvi sobre aquela época, seguramente foram os melhores momentos que viveu a moda espanhola... 


Semana de Moda de Madrid

Português - Cada vez que me reúno com profissionais de moda, existe uma da pauta que é sempre a mesma: a falta de capacitação das pessoas que de alguma maneira conseguiram estar à frente da administração de marcas talentosas. Embora muitas dessas marcas possuam uma equipe criativa respeitada e reconhecida, sabemos que para seguir crescendo, ou até mesmo para seguir respirando, é necessário haver um equilíbrio entre os departamentos administrativos e de criação, incluso me atrevo a afirmar que é necessário haver um casamento entre essas duas partes.

Cada vez mais, testemunhamos associações ou pessoas que dizem representar a “marca Espanha”, mas que na realidade só estão interessados em colher benefícios para si mesmo. Evitamos citar nomes, afinal de contas, muitas das pessoas que estão diretamente envolvidas com o mundo da moda sabem de quem estou falando. O resultado é uma Semana de Moda madrilena cada vez mais apagada e um número crescente de marcas que estão encolhendo ou simplesmente morrendo, diante de uma concorrência estrangeira muito bem administrada.

Dentro do contexto europeu, a Espanha também não possui um bom histórico, comprovamos, por exemplo, através do mercado de objetos artesanais de luxo, um mercado dominado por países como Itália, Alemanha, Bélgica e Franca, que possuem as marcas mais antigas da Europa.

A italiana Barovier&Toso, que existe desde 1450, ou Baccarat, que é um sucesso de vendas desde 1764, são dois bons exemplos de como após séculos de existência, ainda conseguem manter um publico fiel, além de ganhar novos clientes a cada dia. Imagino que muitos de vocês devem estar se perguntando: “Mas o que essas marcas têm haver com a moda?”. A resposta é: TUDO! Essas marcas representam o luxo, e a moda não poderia sobreviver sem esse elemento.

Quando o "amiguismo" excessivo for substituído por profissionalismo, podemos renovar as esperanças e voltar a acreditar que esse maravilhoso país chamado Espanha ganhará seu lugar ao sol e ter a mesma importância para o mundo da moda, como já possuem seus prestigiados irmãos europeus. Enquanto isso não acontece, testemunhamos a decadência de uma Semana de Moda que um dia se chamou Cibeles, a incompetência de uma Associação de Criadores que só se preocupa com a imagem e o bem estar de seus administradores, além de utilizar de forma irresponsável o dinheiro publico que recebe. Nos anos dourados de Cristóbal Balenciaga, que eu ainda nao estava vivo, mas diante de tanta informação que já absorvi sobre aquela época, seguramente foram os melhores momentos que viveu a moda espanhola...